CARTAS DO CEARÁ 2016

(CE, 2016)

Esta série das CARTAS DO CEARÁ 2016 marca uma profunda diferença em relação à série anterior. Enquanto as quatro cartas de 2015 eram todas centradas na solidão do meu apartamento claustrofóbico, nestas cinco cartas de 2016 a busca é o encontro com o mundo e com as pessoas.

  

Cartas do Ceará 2016 #01
SINOPSE: Um final de semana com o Coletivo CUAL em Salvador, comemorando meu “aniversário”. Sorria, por favor.
Cartas do Ceará 2016 #02
SINOPSE: Uma festa noturna em Olinda, com alunos e professores do curso de cinema da UFPE. Se beber, não jogue sinuca.
Cartas do Ceará 2016 #03
SINOPSE: Fim de noite, início de dia, no encerramento da Mostra de Cinema de Gostoso, em São Miguel do Gostoso (RN). Juntos somos mais fortes.
Cartas do Ceará 2016 #04
SINOPSE: Uma palestra e um bar, com Yuri Firmeza, entre a arte e a vida. Um encontro entre professores e alunos em Fortaleza. Uma despedida.
Cartas do Ceará 2016 #05
SINOPSE: Três momentos no trabalho e na vida de Wanderson Lima, em Teresina (PI). No esporte, diferentemente da vida, é preciso haver um vencedor. E a decisão é por pênaltis.

CARTAS DO CEARÁ 2015

(CE, 2015)

As quatro cartas apresentadas na série CARTAS DO CEARÁ 2015 foram um prolongamento de minha experiência no Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes em 2014, onde apresentei o projeto “Residência”, minha primeira incursão nas artes visuais. Nesse projeto, busquei, em cinco telas, uma reflexão sobre um modo de estar em casa. Na maior parte das telas, eu performava pequenas ações em cômodos da casa, ressignificando o espaço da casa a partir de ações banais.

  

Cartas do Ceará 2015 #01
SINOPSE: Antes e depois. O fora e o dentro. A casa em dois momentos.
Cartas do Ceará 2015 #02
SINOPSE: Uma noite. A casa. O vento e seus incensos.
Cartas do Ceará 2015 #03
SINOPSE: A casa e seus cantos. São neles que me escondo e que me encontro. O que há de mim ali?
Cartas do Ceará 2015 #04
SINOPSE: A casa, o quarto, uma janela. Um estudo sobre a luz. O fim de um dia .

IMPÁVIDO COLOSSO

(CE, 2015, fic, cor, 22′)

  

SINOPSE: A partir de uma montagem da propaganda política obrigatória para a eleição presidencial de 1989, Impávido Colosso apresenta um debate da política no país por meio de uma reflexão sobre os discursos dos principais candidatos e sua atualidade nos rumos políticos do Brasil de hoje.

FICHA TÉCNICA: Direção, Roteiro e Edição: Marcelo Ikeda e Fábio Rogério.

PRÊMIOS:

• 12º Curta Taquary: Melhor Montagem

• 2º Festival de Cinema de Rua de Remígio: Melhor Montagem

• Cine Açude Grande 2019: Melhor Filme Júri Popular e Melhor Montagem

• XV Cinefest Gato Preto: Melhor Montagem

O BRADO RETUMBANTE

(CE, 2015, fic, cor, 22′)

  

SINOPSE: A partir de uma montagem da propaganda política obrigatória para a eleição presidencial de 2014, o filme apresenta um debate dos rumos políticos do país através de uma reflexão sobre os discursos dos principais candidatos e sobre o papel da imagem na construção desses discursos.

FICHA TÉCNICA: Direção, Roteiro e Edição: Marcelo Ikeda e Fábio Rogério.

PRÊMIOS:

• 12º Festival Audiovisual de Campina Grande – Melhor Documentário e Melhor Montagem

• 12º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro – Melhor Montagem

• 3º Festival de Cinema de Belo Jardim – Menção Honrosa do Júri

• 10º Curta Taquary – Prêmio Especial do Júri

UM ASSUNTO MEIO DELICADO

(CE, 2016, fic, cor, 18′)

SINOPSE: Evan precisa falar de um assunto meio delicado com sua mãe, com seus professores, com seu amigo Gustavo, mas nunca consegue se expressar muito bem. Ele tenta fazer um filme, mas fracassa.

FICHA TÉCNICA: Uma produção do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará. Direção e Roteiro: Marcelo Ikeda. Direção de Produção: Josy Macedo. Fotografia e Câmera: Victor de Melo. Montagem: David Leão e Thaís Emília. Assistência de Direção: Marley Zaranza. Som Direto: Rodrigo Fernandes. Direção de Arte e Figurino: Thiago Barbosa. Edição de Som: Matheus Rocha. Elenco: Evan Teixeira e Dyego Stefann. Participação especial dos professores: Marcelo Dídimo, Marcelo Ikeda e Osmar Gonçalves.

PRÊMIOS:

• 16ª MAUAL – Mostra de Audiovisual Universitário América Latina UFMT (Cuiabá -MT) – out/2017 – Melhor Curta (Ficção)

• 1º Cine Cariri (CE) – jan/2018 – Melhor Curta (Júri Popular).

CRÍTICAS:

Um assunto meio delicado – Guilherme Sarmiento – Cine Cachoeira

Críticas de um cinema nu – Wesley Pereira de Castro

Um assunto meio delicado – Os processos de produção de uma obra cinematográfica – Josy Macedo

O HOMEM QUE VIROU ARMÁRIO

(CE, 2015, fic, cor, 22′)

  

SINOPSE: Obcecado pelas tarefas rotineiras e mecânicas de seu ambiente de trabalho, um funcionário num dia acaba se transformando em um dos armários da repartição. Uma colega de trabalho, que sempre foi apaixonada por ele, tenta bolar uma estratégia para trazê-lo de volta à sua condição humana. Por trás de um certo tom de comédia, o curta apresenta uma crítica bem-humorada às relações de trabalho da sociedade contemporânea, denunciando a desumanização do trabalho e a mecanização do homem de hoje.

FICHA TÉCNICA: Produção, Direção e Roteiro: Marcelo Ikeda. Assistência de direção Samuel Brasileiro. Direção de produção Clara Bastos. Produção executiva Cesar Teixeira. Direção de fotografia Petrus Cariry. Direção de arte e Figurino Lana Patrícia Benigno. Captação e Edição de som Henrique Gomes. Montagem Tiago Therrien. Mixagem Érico Paiva. Elenco: Andréia Pires e Rômulo Braga. Com: Silas de Paula, Karla Karenina, Gustavo Lopes, Murillo Ramos, Nádia Fabrici e Daniel Florêncio.

SITE DO FACEBOOK: O Homem que Virou Armário

PRÊMIOS:

• X Comunicurtas – Festival Audiovisual de Campina Grande (PB) – Melhor Roteiro e Melhor Montagem

• 9º Curta Taquary – Taquaritinga do Norte (PE) – Melhor Direção e Melhor Atriz

• III Festissauro – Festival Audiovisual do Vale dos Dinossauros – Sousa (PB) – Melhor Som

• 11º Fest Aruanda – João Pessoa (PB) – Melhor Roteiro, Melhor Atriz e Melhor Direção de Arte

• Mostra Sesc de Cinema – Etapa Ceará (2017) – Melhor Direção, Roteiro, Montagem e Direção de Elenco

• I Palmacine – Mostra de Cinema de Palmácia (CE) – Mostra Nacional (Troféu Bacamarte): Melhor Atriz, Melhor Roteiro, Melhor Direção de Fotografia e Melhor Som; Mostra Cearense (Troféu Torre da Lua): Melhor Direção, Melhor Direção de Arte.

CRÍTICAS:

Nirton Venâncio – Olhar Panorâmico

Francis Vogner – Catálogo 11ª CineOP

Rafael Beck – Projeto 399 filmes

Taric Martins – Pilulas Criticas Panorama

Miguel Arcanjo Prado – Blog do Arcanjo

 
 

CARTAS AO CEARÁ

 


 

 

 
 

CARTAS AO CEARÁ #02
12min, DVD
Naquela fria noite em minha casa, me lembrei de alguns de vocês. Estava só e me aqueci com uma canção, enquanto dormia.

 

CARTAS AO CEARÁ #03
10min, DVD
Quando estive em Muniz Freire, me lembrei de alguns de vocês. Dois caminhos. Entre o campo e a cidade. Entre os passos e as roldanas.

 

CARTAS AO CEARÁ #04
3min, DVD
Quando estive em Parati, me lembrei de alguns de vocês. Entre os cachorros e os pombos, um olhar. Filmar é escolher. Deixar de fora. Como a vida.

 

CARTAS AO CEARÁ #05
2min, DVD
Quando estive em Parati, me lembrei de alguns de vocês. E do Five do Kiarostami.

 

CARTAS AO CEARÁ #06
9min, DVD
Na Taíba, me lembrei de vocês. Somos pequenos diante do mundo, mas somos. Vivemos nas bordas do quadro.

 
 

CARTAS AO CEARÁ

 


 

 

Num momento em que Tropa de Elite 2 bate todos os recordes de público do cinema brasileiro, e num momento em que os festivais no Brasil florescem e dão suporte ao surgimento dessa bela nova cena de um cinema brasileiro contemporâneo, tenho a necessidade de fazer filmes para poucos, que circulem pouco, o menos possível. Diminuir o número de pessoas a quem se destinam os filmes e restringir seu circuito de circulação. Com uma pequena câmera e uma pequena ilha de edição, posso fazer pequenas obras audiovisuais que não sejam um produto, uma mercadoria, que circula num mercado, em busca de uma formação de preço, em busca de uma vitrine que irá legitimar sua produção, encontrar o “seu valor”. Essas obras audiovisuais podem ser, ao contrário, singelos sinais de amizade, simples gestos de amor, breves mensagens colocadas dentro de garrafas e jogadas ao mar.

Por isso, fiquei com vontade de fazer diversas cartas audiovisuais e mandar para os meus amigos. O “circuito de difusão” da obra seria esse: mandar pelo correio o DVD com o filme para três ou quatro pessoas. Encontrei o formato da carta como um formato que me oferecia muitas possibilidades, pois uma carta é sempre um face-a-face: quem escreve uma carta, fala para o destinatário, mas acaba inevitavelmente falando também para si mesmo. Uma carta é sempre uma tentativa de comunicação, uma abertura para o mundo, uma abertura de si para o outro. Ao mesmo tempo, toda carta traz consigo uma inevitável ideia de saudade e distância. Escrevemos uma carta porque, por um motivo ou outro, não podemos estar junto, não podemos estar perto do outro.

Essas cartas no entanto não seriam meramente confessionais ou meramente descritivas de uma rotina. Com isso, quero dizer que procurei nessas cartas travar um diálogo sutil que pudesse mostrar a mim mesmo e a minha rotina não como mera descrição (uma narração em voz-over que ilustrasse imagens, como se fosse uma carta escrita), mas sim através de uma escrita não literária mas cinematográfica, a partir de uma articulação entre imagens e sons. Ou seja, o desafio é transformar esse pensamento mesmo não com palavras (literatura) mas por meio do cinema. Sem querer explicar, mas apenas dividir, compartilhar. Ou seja, as cartas nascem de uma necessidade não de descrever ou de explicar os meus dias, mas de compartilhar algumas reflexões que nascem dessa distância, e a partir dessas imagens (e desses sons) promover uma tentativa de reaproximação, como se o cinema pudesse talvez reduzir a distância e a saudade por meio de uma abertura para o mundo e para o outro.

Por isso, para mim é muito significativa a escolha de serem todas cartas “para o Ceará”. Um lugar distante de mim (culturalmente, geograficamente) mas ao mesmo tempo muito próximo, muito íntimo, porque lá tenho amigos e porque lá desabrocha um sentimento para a vida e para a criação que muito me interessam. Mas estou do “lado de cá”, no Rio, observando isso à distância, com saudade das conversas e dos dias que estive lá. Desse modo, essas Cartas ao Ceará mostram, acima de tudo, através de sua atitude libertária no ato de filmar, montar e enviar essas obras finalizadas, um desejo de estar próximo, um desejo de cruzar essa fronteira “do lado de cá” para o “lado de lá”.

Por isso, acho muito bonito o fato de essa série ter terminado simplesmente porque consegui atravessar essa fronteira, indo morar no Ceará. Hoje não preciso mais mandar cartas; eu encontro com as pessoas. Assim, uma coisa que muito me emociona é a possibilidade de transformar essa série de “cartas AO Ceará” em “cartas DO Ceará”. A própria possibilidade de fazê-lo mais do que justifica toda a minha energia envolvida nelas. Percebam que não são “cartas ao Rio”, mas sim “cartas do Ceará”.

Sim, mas isso não responde ao essencial: por que mostrar essas cartas para outras pessoas, além daquelas a quem as cartas a princípio se destinam? Na verdade, não sei bem responder a essa pergunta. Acho que no fundo é esse desejo que nos move como criadores: é a diferença da carta para a literatura, ou porque resolvemos tirar os nossos escritos da gaveta e publicá-los em algum lugar outro, ou mesmo mostrar para alguém. Queremos mostrar talvez para sermos compreendidos, ou simplesmente para nos sentirmos menos sós. Depois de um primeiro ciclo, mandando as cartas para os respectivos destinatários, me sinto pronto para que, agora, algum tempo depois, eu possa dividi-las com um outro pequeno conjunto de pessoas que por ventura se interessem no que elas têm a dizer.

Carta ao Ceará #02

Carta ao Ceará #03

Carta ao Ceará #04

Carta ao Ceará #05

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carta ao Ceará #06

 
 

ENTRE MIM E ELES

(CE, 2013, cor/p&b, 80′)


ENTRE MIM E ELES - barquinho

 
 

SINOPSE: Quatro amigos se reúnem para fazer um filme. E eu os observo. Um filme-ensaio sobre o processo de filmagem de OS MONSTROS, de Guto Parente, Luiz e Ricardo Pretti e Pedro Diógenes (Alumbramento Filmes). Um filme-carta, um filme-diário, um filme-ensaio, um filme-de-arquivo, um filme-de-garagem.

FICHA TÉCNICA: Um filme-processo de Marcelo Ikeda. Câmera (Prólogo/Epílogo): Victor Furtado. Edição (Prólogo/Epílogo) e Finalização: Hugo Pierot.

 

CARTA DE INTENÇÕES:

Amigos,
Acabo de finalizar mais um filme caseiro, chamado ENTRE MIM E ELES.

Pouco tempo depois de começar a morar em Fortaleza, recebi o convite para fazer o making-of de “Os monstros”, o novo filme do Alumbramento, realizado por Guto Parente, Luiz e Ricardo Pretti e Pedro Diógenes, filmado logo depois de Estrada Para Ythaca. Achei interessante fazê-lo de forma que não fosse formatado como um making-of tradicional mas que tivesse uma autonomia, como se fosse um típico trabalho meu. Assim, ENTRE MIM E ELES é na verdade um ensaio sobre o processo de filmagem de OS MONSTROS, ou seja, um filme sobre um filme sendo feito, ou ainda, como eu o apresento, um “filme-processo”.

Como se fala muito sobre essa cena com base no processo, na coletividade e nas relações de afetividade entre os membros da equipe, ENTRE MIM E ELES me pareceu um prosseguimento das questões que venho colocando nos meus textos e nas minhas palestras, como essas questões se dão a ver no próprio set de filmagem. É possível, portanto, ver no set como a equipe trabalha com quatro diretores sem relação de hierarquia, e como a afetividade e a amizade se infiltram no próprio processo de realização da obra. Essa tênue relação entre criação e vida, de modo que se faz cinema e se vive ao mesmo tempo. O exemplo típico é a sequência na praia, quando nos intervalos da filmagem todos vão tomar banho de mar! É ainda possível ver como se filma com tão pouco: a primeira sequência mostra como há apenas um refletor para iluminar todo o set, e o resto vai se fazendo como é possível. ENTRE MIM E ELES, portanto, é uma espécie de filme-ensaio, um documento crítico que fornece mais elementos para se compreender o cinema-de-garagem brasileiro.

Ao mesmo tempo, acredito que esse seja um filme que possa ser visto para além do mero registro, mas como uma obra independente, visto que prossegue com o meu próprio cinema: ou seja, é um filme-diário, um filme-carta, um filme-ensaio, um filme-de-arquivo, um filme-de-garagem. De um lado, esse filme vem dialogando com os videos que venho fazendo precariamente ao longo da última década, perceptível através dos enquadramentos, das opções por um tempo mais alongado, pelo silêncio e pela sugestão. Pelos vazios e pelas penumbras. Ou seja, por suas opções econômicas, éticas, estéticas e políticas. É assim que acredito que ENTRE MIM E ELES não é simplesmente “um institucional do novíssimo cinema brasileiro” mas oferece outras camadas de interpretação.

O próprio título oferece uma dessas camadas. De fato, não é só um cineasta que filma outros cineastas mas é justamente um amigo que filma outros amigos. A minha relação de intimidade com tudo o que se apresenta ali é muito clara, e toda a equipe me acolheu de braços abertos para que eu pudesse testemunhar (conviver) esse processo muito íntimo, costurado artesanalmente por poucas pessoas. Ao mesmo tempo, não faço parte da equipe. Filmo tudo com uma certa distância, com uma certa solidão. Há algo ali entre mim e eles. Faço um filme solitário sobre um filme coletivo.

Por isso, acredito que o “prólogo” e o “epílogo” possam oferecer mais camadas, para contribuir para uma certa distância crítica em relação ao que se constroi ao longo do filme. Essa estrutura em três partes – que dialoga com outros de meus filmes, como o EM CASA, DESERTUM e ÊXODO – retoma o meu próprio trabalho com a casa e a autorrepresentação, transformando assim ENTRE MIM E ELES numa espécie de video-carta, um tanto parecida, a meu ver, com as intenções da minha CARTA DO CEARÁ. Se de um lado esse filme é um ensaio crítico sobre o cinema-de-garagem brasileiro, ele é ao mesmo tempo imensamente pessoal, como as críticas que costumo publicar no meu blog. Ou seja, busquei fazer de ENTRE MIM E ELES uma tradução para a linguagem audiovisual (um filme) dos textos críticos que escrevo em meu blog: rigor combinado com intimidade. Se eu puder ser direto, diria que esse filme é um cântico de esperança e uma ladainha de lamento: esse filme não é propriamente sobre o fim mas sobre o fim da minha própria possibilidade de compartilhar um sentimento sobre um certo contexto. Ou ainda, é sobretudo um ato confessional do meu próprio fracasso. Ao mesmo tempo, ainda há mais caminhos a serem percorridos. Permaneço acreditando muito na possibilidade da resistência. É preciso persistir. Esse filme é uma garrafa lançada ao mar.

Marcelo Ikeda
Fortaleza/Rio de Janeiro, março de 2013.

 
 

TEXTOS SOBRE O FILME:

Carta para a comunidade makingoff.org – Marcelo Ikeda (sobre a disponibilização do filme no site para download)

Esses pequenos passos silenciosos – Marcelo Ikeda (sobre a primeira exibição do filme, no CCBB/RJ – MFL em 16/03/2013

Carta de Dércio Barros

Crítica de Fernando Mendonça – Filmologia

Crítica de Pedro Tavares – Cinemaorama

 
 



 
 

  
LIVROS PUBLICADOS:
 
IKEDA, Marcelo e LIMA, Dellani. CINEMA DE GARAGEM: um inventário afetivo do jovem cinema brasileiro do século XXI. WSET Multimídia: Rio de Janeiro, 2011. ISBN 978-85-63357-03-8
 
IKEDA, Marcelo (org.). FILME LIVRE! – curando, mostrando e pensando filmes livres. WSET Multimídia: Rio de Janeiro, 2011. ISBN 978-85-63357-02-1
 
IKEDA, Marcelo. Lei da ANCINE comentada (Medida Provisória nº 2.228-1/01). Rio de Janeiro: WSET Multimídia, 2012, 148pgs. ISBN 978-85-63357-06-9
 
IKEDA, Marcelo e LIMA, Dellani (orgs.). Cinema de garagem: panorama da produção brasileira independente do novo século. Rio de Janeiro: WSET Multimídia, 2012. ISBN 978-85-63357-05-2
http://www.cinemadegaragem.com/download/catalogo-cinemadegaragem.pdf

 
 
TEXTOS CRÍTICOS:
 
O que se move.
Filmologia, n. 13 (Vol. 4, N. 2), 2013.
http://www.filmologia.com.br/?page_id=6921
  
Um cenário de mudanças e o porvir
In: KOGAN, Lis; VALENTE, Eduardo. (orgs.) Semana dos Realizadores: voos do cinema brasileiro contemporâneo. São Paulo: Klaxon Cultura Audiovisual, 2012, pg. 128-129.
http://www.semanadosrealizadoressp.com.br/wp-content/uploads/2012/12/miolo_SR_SP-web.pdf
  
E aí, perdeu?
(texto sobre o mercado de distribuição e o cinema brasileiro)
Jornal O Povo (Fortaleza) Caderno Vida e Arte, 24/06/2012, p. 6
http://www.opovo.com.br/app/opovo/vidaearte/2012/06/23/noticiasjornalvidaearte,2863940/e-ai-perdeu.shtml
  
O jovem cinema brasileiro: notas de uma renovação
Diário do Nordeste (Fortaleza) – 11/03/2012 – Caderno 3, pg 6
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1113456
  
Novos percursos: um recorte sobre a produção cearense recente
Cine Cachoeira – Revista de Cinema da UFRB – Ano 2 n3 – dezembro/2011
http://www.ufrb.edu.br/cinecachoeira/2011/11/novos-percursos/
  
O jovem cinema contemporâneo brasileiro.
Revista Caipira n.31 – setembro/2011, p.17-22, Rio Claro.
http://www.4shared.com/document/TVY954gd/revista31imp.html
  
Uma arma perigosa
(texto sobre o papel da crítica cinematográfica)
Jornal O Povo (Fortaleza) – Caderno Vida & Arte, domingo, 04 de dezembro de 2011, p.8
http://www.opovo.com.br/app/opovo/vidaearte/2011/12/03/noticiavidaeartejornal,2347638/uma-arma-perigosa.shtml
  
Os mil olhos do Dr. Pizzini
(texto sobre o filme 500 Almas, de Joel Pizzini)
Filme cultura n. 53 – janeiro/2011 – pags. 64-66 http://www.filmecultura.org.br/edicoes/53/pdfs/edicao53_completa.pdf
 
A crítica (o crítico) como um barco à deriva
(texto sobre a crítica de cinema, publicado no blog Doidos Por Cinema (07/09/2010)
http://doidosporcinema.wordpress.com/2010/09/07/critica-em-xeque/
 
A atualidade do cinema de Ozu
(texto publicado no catálogo da Mostra “Emoção e Poesia: o Cinema de Yasujiro Ozu” no Centro Cultural Banco do Brasil. 2010. p21-22.)
http://www.ozu.com.br/textos_004.swf
 
Carlota Joaquina: do mito à realidade
(texto sobre a importância do filme Carlota Joaquina na retomada do cinema brasileiro)
Jornal O Povo – Caderno Vida & Arte, domingo, 16 de maio de 2010, p.7
http://www.opovo.com.br/www/opovo/vidaearte/984175.html
 
Mostra Cinema Cearense Contemporâneo – Mostra SESC Cariri de Cultura 2010
(cobertura crítica da mostra de filmes cearenses)
http://mostrasescaudiovisual.blogspot.com/p/mostra-cinema-cearense-contemporaneo.html
 
 
Críticas – site Via Política
 
 
O Poeta e a Bailarina
http://www.viapolitica.com.br/cinema_view.php?id_cinema=136
(31/6/2008)
 
Ryuichi Hiroki
http://www.viapolitica.com.br/cinema_view.php?id_cinema=137
(27/06/2008)
 
Uma Carta
http://www.viapolitica.com.br/cinema_view.php?id_cinema=127
(18/5/2008)
 
Hiroshi Ishikawa
http://www.viapolitica.com.br/cinema_view.php?id_cinema=124
(28/4/2008)
  
PALESTRAS:
 
Cinema brasileiro anos 2000, 10 questões
Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB/RJ) – Debate 06/maio/2011
“Ação entre amigos: opção, afirmação ou necessidade?”
Fábio Andrade e Marcelo Ikeda
http://www.revistacinetica.com.br/anos2000/debate06rj.php
 
 
ARTIGOS ACADÊMICOS:
 
PAR e PIQCB: uma análise dos mecanismos automáticos de fomento à produção cinematográfica brasileira.
In: Políticas Culturais em Revista – Vol. 5, No 1 (2012), pg. 170-186.
http://www.portalseer.ufba.br/index.php/pculturais/article/view/6051
 
Crônica de uma separação – as políticas públicas para o audiovisual e o estímulo à produção independente.
In: Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación (Revista Eletrônica Eptic On Line), vol. 14, n. 3, set/dez 2012, pg 27-47. Aracaju: Observatório de Economia e Comunicação (Obscom) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). (ISSN 1518-2487)
http://www.seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/531/445
 
O mercado cinematográfico brasileiro e a aliança entre o global e o local.
In: Revista GEMInIS, ano 3, n. 2, jul/dez 2012, p. 69–82. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.
http://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/113/87
 
O art. 3º da lei do audiovisual e as políticas públicas para o setor audiovisual na “retomada”
In: Anais do I Encontro Internacional de Direitos Culturais – I EIDC (Fortaleza/Unifor – set/2012)
http://www.direitosculturais.com.br/ojs/index.php/articles/article/view/31/89
 
Uma análise das leis de incentivo fiscal para o cinema brasileiro sob a ótica da captação de recursos incentivados
In: Anais do III Seminário Internacional de Políticas Culturais – Casa Rui Barbosa/RJ – set/2012
http://culturadigital.br/politicaculturalcasaderuibarbosa/files/2012/09/Marcelo-Ikeda.pdf
 
As Políticas Públicas Cinematográficas no Início dos Anos 2000: O Papel da Ancine no Tripé Institucional Previsto pela MP 2.228-1/01.
In: Anais do VIII ENECULT, agosto/2012, Salvador
Ver Anais do Evento
 
Estado e Cinema no início do século XXI: características de formação da ANCINE.
In: II Seminário Internacional de Políticas Culturais, 2011, Casa Rui Barbosa/Rio de Janeiro.
Ver Artigo
 
 
 
O nevoeiro, provisoriamente.
In: IKEDA, Marcelo e LIMA, Dellani (orgs.). Cinema de garagem: panorama da produção brasileira independente do novo século. Rio de Janeiro: WSET Multimídia, 2012, pg 153-164.
www.cinemadegaragem.com/download/catalogo-cinemadegaragem.pdf
 
Os contracampos de Não Amarás.
In: Revista dEsEnrEdoS – ano IV – número 14 – teresina – piauí – julho agosto setembro de 2012.
http://desenredos.dominiotemporario.com/doc/14-Ensaio-Ikeda-NaoAmaras.pdf
 
Cinema e literatura: um exemplo de como os modos de produção fílmica podem influenciar as questões da adaptação.
In: Revista Fronteiras – estudos midiáticos, 14(1): 3-12, janeiro/abril 2012.
http://www.unisinos.br/revistas/index.php/fronteiras/article/view/fem.2012.141.01/738
 
Os filmes-diários de Jonas Mekas: as memórias de um homem que se filma.
In: Rumores, edição 11 | ano 6 | número 1 | janeiro-junho 2012, pg 220-232
http://www.rumores.usp.br/pdf/12.pdf
 
Silêncios e Paisagens Sonoras no Cinema Brasileiro Contemporâneo.
In: Cambiassu, ano XIX – nº 10, jan/jun 2012.
http://www.cambiassu.ufma.br/ikeda.pdf
 
 
Concentração e acentramento: duas facetas do cinema brasileiro contemporâneo. PAIVA, Samuel e DOLOSIC, Pedro (orgs.). Revista Universitária do Audiovisual (RUA): regionalização e globalização no campo do cinema e audiovisual. Volume especial: SOCINE Regional São Paulo. São Carlos: DAC/UFSCar, 2011, p 19-22.
http://www.ufscar.br/rua/site/wp-content/uploads/rua_projeto_site_completo.pdf
 
 
Paradoxos das políticas públicas para o setor cinematográfico e as características da ANCINE.
In: CÁNEPA, Laura, MÜLLER, Adalberto, SOUZA, Gustavo e SILVA, Marcel (orgs.) XII Estudos de Cinema e Audiovisual Socine – Vol. 1. São Paulo: Socine, 2011, p. 244-257.
http://socine.org.br/livro/XII_ESTUDOS_SOCINE_V1_b.pdf
 
Enfrentando Hollyworld
Le Monde Diplomatique n33, abril de 2010, p31
http://diplomatique.uol.com.br/artigo.php?id=669&PHPSESSID=2992afb2cd65c8594faad2ff286459fc
 
“Muito Falado e Pouco Visto”: perfil da distribuição do documentário brasileiro nas salas de exibição (1995-2008). In: PAIVA, Samuel; CÁNEPA, Laura; SOUZA, Gustavo (orgs.). XI Estudos de Cinema e Audiovisual. SOCINE – Sociedade Brasileira de Estudos do Audiovisual. São Paulo, 2010, p 540-556.
www.socine.org.br/livro/XI_ESTUDOS_SOCINE_b.pdf
 
Distribuição de longas-metragens brasileiros a partir das leis de incentivo (1995-2007): um panorama. In: FABRIS, Mariarosario et alii (orgs.). X Estudos de Cinema e Audiovisual SOCINE 2008. São Paulo: SOCINE, 2010.
www.socine.org.br/livro/X_ESTUDOS_SOCINE_b.pdf
 
 
PALESTRAS:
 
Panorama da distribuição dos filmes brasileiros
Ciclo de Conferências “Cinema Brasileiro: Desafios Culturais e Econômicos
Marcelo Ikeda e Carlos Augusto Calil – CineSesc/SP – 14/12/08
http://www.blinkx.com/watch-video/panorama-da-distribui-o-dos-longas-metragens-brasileiros-a-partir-das-leis-de-incentivo/XIlofHFe-jVWU8pcbbLMxA
 
“O Audiovisual como Elemento de Desenvolvimento Econômico”
FestFilmes – Festival do Audiovisual Luso Afro Brasileiro, 08/11/2012
Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho, Fortaleza/CE.
http://www.ustream.tv/recorded/26821122